Educação Ambiental e os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN)

A educação ambiental nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) é um dos temas transversais, e deve ser trabalhada enfatizando-se os aspectos sociais, econômicos, políticos e ecológicos. As vantagens de uma abordagem assim é a possibilidade de uma visão mais integradora e melhora na compreensão das questões socioambientais como um todo. Logo, como tema transversal, a Educação Ambiental deve estar presente em todas as disciplinas, perpassando seus conteúdos, como é desejado pelos educadores ambientais

Ao mesmo tempo ela tem a chance de estar presente em todas as disciplinas, um tema transversal não possui um “status” de ser uma disciplina única, sendo muitas vezes deixada em segundo plano em relação aos conteúdos disciplinares. A proposta dos PCNs é de uma abordagem ambiental integrada, tanto entre as disciplinas como entre a sociedade seus problemas específicos.

Será que a Educação ambiental deve ser trabalhada apenas por um professor?

Assim conseguimos diante desta perspectiva imaginar as dificuldades de se trabalhar um tema transversal como é proposto nos PCNs, pois a educação atual não valoriza esse tipo de abordagem interdisciplinar. A integração de todo o corpo docente ao trabalhar a temática ambiental, ainda é mal entendida e pouco utilizada em projetos e no cotidiano escolar. Isto se deve a maioria dos docentes não estarem capacitados para trabalhar com esses temas e ao mesmo de trabalharem em equipe. Assim a Educação Ambiental fica em geral restrita ao professor de ciências e biologia, e percebemos essa tendência que é reforçada pela inclusão, na maioria das vezes, deste tema somente nos livros de ciências.

Outra dificuldade do trabalho, interdisciplinar em projetos é que o professor, sendo pouco valorizado financeiramente, precisa investir seu tempo em muitas atividades e em diversos estabelecimentos de ensino, para obter retorno financeiro, não sendo de seu interessei ou mesmo disponibilidade de tempo planejar atividades em Educação Ambiental. Este fator também contribui de forma negativa para o desenvolvimento de atividades interdisciplinares, já que os professores não tem espaço e nem tempo remunerado, para trabalhar com os demais colegas.

Dessa forma, ao pensarmos a Educação Ambiental na escola, encontramos esta série de dificuldades, esta acaba na maioria das vezes,se mantendo como um tema pontual somente tratado em semanas pedagógicas ou atividades comemorativas no âmbito escolar, ficando restrita a este espaço e sem aplicação na comunidade.

Mesmo com todas essas dificuldades, ainda faço coro de que, a Educação Ambiental não deve ser trabalhada como uma disciplina, mas sim por todo o corpo docente. Mesmo que para isso, tenhamos que repensar o papel da própria escola e da educação, dividida e compartimentalizada em disciplinas que não se comunicam entre si.

Que no Ano vindouro, todos nós possamos estar pensando mais nesses temas e problemáticas da Educação Ambiental no Brasil, e que juntos consigamos construir novos horizontes para esta temática tão pertinente e necessária nos dias atuais. Um Feliz 2011 a todos, um ano de muitos projetos e realizações ambientais! Espero contribuir cada vez mais com este blog e até 2011.

About these ads

26 opiniões sobre “Educação Ambiental e os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN)

  1. O diferencial da EA do século XX para a EA que precisamos no século XXI está no fato d3 que não se pode prescindir de e4studos de avaliação da percepção ambiental do segmento a que se pretende estruturar um Programa de EA (diagnóstico prévio para ser usado na estruturação do programa) e outra após a conclusão do mesmo de modo a caracterizar a sua eficácia.

    Um grupo – Núcleo de Estudos em Percepção Ambiental / NEPA – vem se dedicando há mais de 6 anos a este tipo de estudo (com pesquisas realizadas inclusive no exterior), com um banco de dados que deveria ser acessado por gestores públicos e privados da área de Educação Ambiental, de modo a tomar conhecimento do perfil de percepção ambiental de estudantes e professores dos ensinos fundamental ao superior. Para acessar, entre em http://www.pluridoc.com (base sediada na Europa) e, em seguida, pesquise “roosevelt s. fernandes”.

    Roosevelt S. Fernandes, M. Sc.
    Membro titular dos Conselhos Estadual de Meio Ambiente / CONSEMA e do Estadual de recursos Hídricos / CERH do Estado do Espírito Santo.
    roosevelt@ebrnet.com.br

  2. tenho que escrever uma monografia sobre a temática ambiental, e estou precisando coletar material que possa me ajudar a desenvolver o tema, por isso pesso a quem poder contribuir de alguma forma, por favor pede enviar artigos, reportagens, etc, qualquer coisa que possa contribuir para a conclusão deste trabalho.

    • Bom dia Bernardo,

      Escrever uma monografia sobre a “temática ambiental” é relevante, no entanto, você tem que delimitar o que especificamente você quer trabalhar. Existem muitos artigos, textos, materiais, sobre essa temática, mas não posso lhe ajudar na sua consulta se você não especificar sobre o que quer tratar.
      um abraço,

      Bárbara

  3. Nossos professores necessitam criar consciência, bem mais consciência a respeito do assunto. É abrangente e urgentíssimo! Não haverá vida sem a participação do coletivo. É obrigação de todos nós o cuidado!

    Gostei muito do site. Parabéns!

  4. Ola Barbara…
    Eu queria ter mais informação sobre o seu ponto de vista a respeito da nao inclusão da Educação Ambiental como uma materia especifica da grade de ensino regular? Pois eu estou estudando o assunto e procurando formar a minha opinião par escrever a respeito.

    • Andrew,
      A princípio não sou muito favorável a inclusão da disciplina educação ambiental, ministrada por um professor, pois ela perderia o carater interdisciplinar que ela deve possuir.
      Um abraço
      Bárbara

  5. Mais você não acha que o “Professor de Educação Ambiental” poderia ser o mediador desta interdisciplinaridade? Pois afinal de contas ela nao acontece nas escolas por um certo descaso dos proprios professores e da propria escola. Os professores em si estão mais preocupados em passar o conteudo para as provas para que o aluno seja avaliado, por que é isso que as escolas cobram do professor, se ele nao atingir uma “cóta” ele é entitulado como um mal proficional. Como você resaltou alguns dos problemas que os professores tem em até de se interessar pelo tema.

    • Andrew,
      Sim acho que um professor de educação ambiental, bem capacitado a realizar esse movimento interdisciplinar, pode construir um bom projeto de educação ambiental, no entanto, acredito que isso não é desejável, pois a EA deve ser um projeto de longo prazo e que deve ser trabalhada pela maioria dos professores, desde que eles tenham tempo livre na escola para elaborar projetos e sejam remunerados por isso.
      Na maioria das vezes o professor não se envolve com projetos de EA (e outros temas transversais) pois, é exigido como algo a mais a suas atribuições, ou seja, além de dar os conteúdos ele ainda tem que realizar projetos abordando os temas transversais, na maioria das vezes sem suporte da direção, sem capacitação, dentro de sua carga horária ou mesmo além desta…
      E você, acha que um professor diante desse cenário desfavorável pode realizar um bom projeto de EA na escola?
      Vamos dialogando,
      Um abraço
      Bárbara

    • Tarciso,
      Eu li a entrevista do Reigota que você me sugeriu, pelo que entendi ele é contrário aos PCNs, por se tratar de um dispositivo de controle ideológico do estado e que regula a diversidade educacional do Brasil e coloca a educação ambiental, como tema transversal, abaixo do patamar de disciplina. Ele propõe que o discurso da educação ambiental como uma disciplina é defasado e conservador, no entanto, ele entende a educação ambiental como uma filosofia da educação, e estando o professor apto a entender esses aspectos ele pode trabalhar as temáticas ambientais.
      Concordo que qualquer professor pode trabalhar as questões ambientais, no entanto, esse trabalho se torna práxis quando a maioria dos professores estão envolvidos, juntamente com a comunidade escolar.
      um abraço,
      Bárbara

      • Oi Bárbara sou o Tarcisio Ferreira, espero que você esteja bem!; o assunto abordado é bastante pertinente, entretanto penso que o tema ainda esteja muito defasado nas escolas, sei que é enviável adicionar ED como uma disciplina na grade escolar, ainda mas nas escolas públicas, que não tem apoio governamental, e é preciso cumprir um conteúdo programático muito extenso, além de ter que fazer com que os alunos sejam aprovados, mesmo que eles não saibam quase nada, para que a escola não perca a verba que lhe é enviada. Mas penso que MEIO, é um tema que deve ser bastante exposto nas escolas, não só por professores de Ciências da Natureza, mais por todos, tanto os de português como os de matemática, e os outros, não jogar todo o peso de ED nas “costas” do docente de Ciências.
        Educação Ambiental não é um tema que deve ser abordado somente nas escolas, pelo contrário, têm que estar presente intrinsecamente na comunidade,e na população em geral. Portanto nós como graduando, educando e pessoas que tem consciência de ED, temos que nos mobilizar para educar nossa sociedade!.
        um abraço.

  6. Este texto serviu-me como uma luva de número certo. Achei incrível encontrar este comentário crítico sobre Educação Ambiental na Escola, pois, sentei-me para fazer a primeira pesquisa sobre o assunto, já que fui convidada a ministrar uma tarde da semana cultural da escola onde leciono. O motivo deste convite é devido às inumeras atividades de educação ambinetal que busco desenvolver em minhas salas de aula, as quais chamam a atenção da direção. Apesar de estar feliz pela oportunidade, estou também muito preocupada, pois tenho enfrentado muitas dificuldades, das quais você já esboçou com perfeição. Na verdade, o que eu estou buscando na internet é a frase dos PCNs que diz que EA não deve ser uma disciplina, mas sim, trabalhada interdisciplinarmente. Quero começar minha palestra com esta discussão. A tarefa que me foi dada, considero muito difícil, pois, uma professora sensibilizar seus colegas de trabalho de que todos devem se envolver nas atividades de Educação Ambiental é realmente muito difícil, você não acha! Agora que li seu texto, me sinto ainda mais respaldada para discutir sobre isso. Muito obrigada!Aguardarei novos textos…rs

    • Olá Regiane
      Que bom que o texto lhe foi útil, e que ele seja apenas uma possibilidade inicial de reflexão, pois, o objetivo aqui do blog é sempre permitir esses momentos, principalmente naqueles que desenvolvem a EA em seu cotidiano. Não é fácil mesmo, mas sempre que nos propomos a repensar nossas práticas já é um começo. Boa sorte com sua palestra e que você consiga sensibilizar mais professores para o trabalho, em breve teremos novos textos.
      um abraço,
      Bárbara

  7. O Tema é transversal, portanto deveria ser abordado em todas as disciplinas…Não concordo com o que está no texto, nem todos os professores de biologia e ciências discutem o tema, sou geógrafa especialista em meio ambiente, trabalhei como professora dos Ensinos Fundamental I, II e Médio e sempre encontrei dificuldades de integração com outras áreas, nunca vi nenhum professor de biologia ou ciências se preocuparem com o tema…

    • Cristina,
      Sim, os temas transversais deveriam ser trabalhados por todas as disciplinas. Em relação as áreas que se interessam em trabalhar as questões ambientais, veja bem, eu coloquei em geral, pois pelo que percebo em minha prática docente, são as áreas das ciências naturais e biológicas as que mais se interessam pelo tema, mas além da geografia, já desenvolvemos projetos interdisciplinares em parceria com quase todas as áreas (física, língua portuguesa, inglês, geografia, artes). Provavelmente em sua experiência docente você não encontrou professores de ciências e biologia que se preocupam com o tema, o que não quer dizer que não haja esse interesse, por esses docentes, eu, por exemplo, sou professora de ciências e biologia e trabalho nesta linha.
      Abs,
      Bárbara

  8. Boa tarde Barbara!
    Primeiro quero parabenizar por seu trabalho! Quanto ao assunto acima, estou cursando Ciências biológicas e pretendo fazer meu TCC sobre AE, comecei as pesquisas a pouco tempo e ainda acho que criar uma disciplina para EA seria mais proveitoso, uma vez que muitos professores não dispõe de tempo para trabalhar muitos dos assuntos pertinentes a EA e também por perceber que professores de outras disciplinas como Geografia, Química, Historia, pouco trabalham esses assuntos, e assim ficando para os Biólogos toda a responsabilidade de formar cidadãos conscientes.
    Penso ainda que inserindo essa disciplina ficaria mais fácil formar novos disseminadores dessa ideia, além disso, usar as atividades como forma de avaliação, seria uma forma de avaliar a sensibilização dos alunos através dos frutos das oficinas em sala de aula.

    Boa tarde!

    • Juliana, obrigada pela visita.
      Em relação ao seu comentário sobre a possibilidade de existir uma disciplina de EA, acho dei mais ou menos meu posicionamento no texto, minha opinião é que a EA deve ser interdisciplinar, no entanto, não sou tão ortodoxa ao ponto de condenar o surgimento de uma disciplina que abordasse temas ou organizasse projetos interdisciplinares de EA, desde que o “professor de educação ambiental”, estivesse bem capacitado a realizar esse movimento. A princípio, percebo que a maioria dos professores não estão bem capacitados… Por isso acho limitado, existir um professor de EA, pois, esta poderia ser abordada através de um único viés, o que não é interessante.
      um abraço,
      Bárbara

  9. Boa noite, Barbara!

    estou produzindo meu trabalho monografico sobre “Educação Ambiental no Ensino Infantil”, estou sentindo dificuldade em encontrar material sobre a tematica no ensino infantil, caso você tenha algum, por favor me ajude….

    • Bom dia,
      Não saberia indicar nenhuma referência de educação ambiental na educação infantil, pois não trabalho com essa faixa etária. Vamos deixar a questão aqui, caso alguém saiba, pode ajudar a Antonia Paula. Boa sorte na sua pesquisa.
      um abraço,
      Bárbara

  10. Hola Bárbara!eu sou a Neide professora de lingua porutguesa e espanhol, sou mestrando em estudos Ambientais.Eprentendo escrever minha dissertação sobre educação ambiental na formação básica nas unidades de conservação.e quero saber como está as questões politicas e sociais voltadas para essa tematica na sua opinião.pois defendo tambem que a educação ambiental deva ser praticada por todos os docentes e que não deve está só no contexto escolar não ! que vá mais alem.por mora em uma localidade de dificil acesso a internet entre outras tecnologia, peço que, se puder endica- me alguns autores.desde ja agradeço pela sua atenção.brç.

  11. Pingback: 4 anos do blog Educação Ambiental Crítica |

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s