Cidade limpa, povo civilizado?


Dia desses, numa atividade de educação ambiental com estudantes de um colégio estadual situado na baixada fluminense (Rio de Janeiro), realizamos uma caminhada no entorno da comunidade na qual o colégio se insere, e durante essa caminhada pude perceber algo que alguns autores vêm propondo, e que eu como educadora ambiental e pesquisadora na área também concordo: de como a educação ambiental se mal encaminhada, ou seja, se realizada de maneira conservadora, pode internalizar os valores do sistema, servindo como instrumento de reprodução e dominação social. Continuar lendo

Anúncios

Entrevista concedida ao blog Educação Socioambiental Monteiro Lobato


Republico aqui no blog, uma entrevista minha concedida ao blog Educação socioambiental Monteiro Lobato, construído durante a pesquisa “EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE NA BAIXADA FLUMINENSE: UMA PROPOSTA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA EM UMA ESCOLA MUNICIPAL EM DUQUE DE CAXIAS – RJ”, que é resultado da dissertação do Professor Mestre Marcio Douglas Floriano. Para além da pesquisa, o blog continua realizando uma importante  na busca pela construção de uma sociedade ambientalmente mais justa, e está sempre atualizando com textos interessantes e divulgando eventos na área da educação e educação ambiental. Segue abaixo a nossa entrevista: Continuar lendo

O que um blog de Educação Ambiental tem a ver com os protestos das passagens?


Essa pode ser a primeira pergunta que os nossos leitores farão, “ué, mas vocês não falam de educação ambiental?”, a resposta vem rápida: Não. Falamos de ambiente, educação ambiental, educação e trabalho, isto é, tudo o que se desenvolve em nosso ambiente, ou seja, podemos falar de tudo.  Ser um blog de educação ambiental não nos impede uma leitura crítica do mundo e das suas relações, isso é educação ambiental crítica. Continuar lendo

Sobre ombros de gigantes


Estou atualmente sem tempo para escrever um post interessante aqui no blog, não faltam ideias, é falta de tempo mesmo, pois, parto de uma posição de não copiar e colar (de outros sites, blogs) e sim pensar e escrever de maneira autoral, o que pode ser interessantes para a construção da Educação Ambiental Crítica.

No entanto, tem sido bastante  difícil fazer isso, quando se tem um prazo definido para se terminar um mestrado (só quem já passou por algo semelhante sabe do que eu estou falando). Espero passar por essa fase e retornar com mais vigor a produção do blog. Continuar lendo

Blog Educação Ambiental Crítica – 3 anos


Três anos de blog Educação Ambiental Crítica nesse dia 24 de Abril de 2013, como sempre cabe uma reflexão, movimento que inclusive já iniciei com esse post aqui.  O atravessar de todo esse tempo como blogueira, professora e pesquisadora a partir de uma práxis incansável, esse eterno movimento entre teoria e prática, me permitiu um amadurecimento acadêmico e pessoal muito grande, o que me faz até entender que às vezes necessitamos de momentos de recuo, para posterior avanço no campo que eu escolhi (ou será que fui escolhida?), para realizar minha trajetória de vida pessoal, acadêmica e profissional. Continuar lendo

O lugar em que estamos: transformar‐se transformando


Recebi um e-mail de um leitor, o Leandro Chamma, com algumas questões muito interessantes que me levou a escrever uma resposta, e que serviu de base para uma auto-reflexão sobre o próprio blog Educação Ambiental Crítica, e achei bacana coletivizar essa resposta-reflexão, pois é o lugar em que estamos atualmente no processo de construção do blog e das idéias aqui propostas. Apenas lembrando que nesse mês de Abril (dia 24) o blog completa 3 anos e achei oportuna essa reflexão. Continuar lendo

Trabalho de campo em educação ambiental


Esse post não tem como objetivo ser uma orientação metodológica pronta, pois estaríamos perdendo a essência do que é o próprio desenvolvimento de uma perspectiva crítica em educação ambiental. Ele apenas irá propor algumas formas de se repensar a importância do trabalho de campo em atividades de educação ambiental, pois essa ferramenta pedagógica, desperta um senso crítico nos envolvidos e pode ajudar na sensibilização inicial, na motivação para que estudantes e grupos sociais se mobilizem e participem de projetos de educação ambiental. Continuar lendo